terça-feira, 2 de maio de 2017

ARGENTINA / POLÊMICA

Descoberta levanta questionamento sobre as cores da bandeira argentina

Descoberta remonta à história da Argentina (Foto: Pixabay)

As cores da bandeira da Argentina são facilmente reconhecíveis. As listras azuis-celestes e o sol dourado enfeitam desde camisas de futebol a ímãs de geladeira. Um monumento enorme na cidade portuária de Rosario marca o lugar onde Manuel Belgrano, autor da bandeira argentina, ergueu-a pela primeira vez em 1812.

Mas será que o azul-celeste é a cor correta de suas listras? Um artigo publicado em uma edição recente do periódico Chemistry Select sugere que não. Pesquisadores do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (CONICET) da Argentina e da Universidade Federal de Juiz de Fora, no Brasil, examinaram os fios de seda da bandeira San Francisco, a mais antiga do país. A descoberta surpreendeu os pesquisadores: os fios eram azul-marinho.

Essa descoberta remonta à história da Argentina. Durante a guerra civil que antecedeu a independência da Espanha em 1816, os federalistas, que defendiam a descentralização, liderados por Juan Manuel de Rosas, usaram bandeiras com tons de azul-marinho. Os unitários, por sua vez, que queriam um governo central forte em Buenos Aires, escolheram um tom mais claro de azul. Os federalistas foram derrotados pelos unitários, mas a guerra das cores nunca terminou. “Essas duas visões do país ainda persistem”, disse Francisco Gregoric, um especialista no estudo de bandeiras.

Seja qual for a cor correta, os argentinos não vão hastear bandeiras com listras azul-marinho. Em 2002, o Instituto Argentino de Normas Técnicas e Certificação (IRAM) definiu a largura e a cor azul-celeste de suas listras, assim como a posição do sol. Mais tarde, em 2010, a então presidente Cristina de Kirchner transformou em decreto a decisão do IRAM.The Economist

Nenhum comentário:

Postar um comentário