segunda-feira, 1 de maio de 2017

CRÍTICAS À PROPOSTA / REFORMA TRABALHISTA

Renan diz que reforma trabalhista pode não passar no Senado

Renan questionou o que Temer dirá no discurso de 1º de maio (Foto: Agência Senado)

Renan Calheiros (PMDB-AL), declarou que o texto da reforma trabalhista, da maneira como foi aprovado na Câmara, pode não passar no Senado.

Em discurso no plenário, Renan teceu fortes críticas à proposta e ao presidente Michel Temer. Sem economizar na ironia, o senador disse que a proposta de Temer “é uma chantagem explícita” que o presidente tenta “empurrar goela abaixo” para “retirar direito dos trabalhadores” e afirmou que o texto “chega a constranger” a base aliada do governo.

“Não acredito que essa reforma saia da Câmara e chegue aqui, ao Senado Federal – reforma de ouvidos moucos -, sem consultar opiniões; reforma que só interessa à banca, ao sistema financeiro, rejeitada em peso e de cabo a rabo pela população; reforma tão malfeita, que chega a constranger e a coagir a base do próprio governo. Por isso ela vai e volta, de recuo em recuo”, disse Renan.

O senador disse não acreditar que a reforma reduzirá o desemprego e que o trabalhador será condenado a aceitar acordos que reduzem sua remuneração.

“Ela rebaixa os salários, é sua consequência mais imediata e perversa. Ela pretende deixar o trabalhador sem defesa, condenado a aceitar acordos que reduzem a remuneração, suprimem reajustes e revogam garantias no emprego. Todos sabemos que a acordos forçados em plena recessão, com 13 milhões de desempregados e com o desemprego aumentando mês a mês, é pedir que se aceite a crueldade como caridade”, disse o senador.

Renan também questionou o que Temer dirá no tradicional discurso presidencial do dia 1º de maio. “A próxima segunda-feira, 1º de maio, o Brasil precisa dizer alguma coisa aos seus trabalhadores. E não é, senhores senadores e senhoras senadoras, da melhor tradição o presidente da República não falar aos trabalhadores”, ironizou Renan.Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário