segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

CÃES E GATOS - Animais domésticos no Brasil são o dobro da população de crianças

É fato que muitos animais de estimação tomaram o espaço das crianças na rotina de algumas famílias (Foto: Pixabay)

O leitor já deve ter reparado que muitas pessoas tratam seus animais como se crianças fossem. Expressões como “meu filho”, “meu bebê” ou “vem com a mamãe” são muito comuns nestas relações em que eventualmente se confunde e se humaniza o papel do animal de estimação dentro de casa.

Amáveis e inteligentes, os cães no país formam uma população de 52,2 milhões de seres enquanto os gatos são mais de 22 milhões – segundo o IBGE em pesquisa recente com dados de 2013 e 2015. Em contrapartida, pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), de 2013, o país tem 44,9 milhões de crianças até 14 anos. Estima-se que o Brasil tenha cerca de 100 milhões de animais de estimação (tartarugas, peixes, pássaros e hamsters também estão entre os mais cotados) e a segunda população canina do planeta – atrás somente dos Estados Unidos.

Isso mesmo. O número de cães superou o número de crianças no Brasil.

No plano governamental, tais informações têm importância e ajudam o Ministério da Saúde a planejar a compra de vacinas, por exemplo. O fenômeno movimenta e ativa um segmento de mercado que abrange a formação profissional de especialistas em saúde e educação. Além disso, proliferam pet shops e clínicas veterinárias. A indústria de alimentos para cães e gatos se tornou grande anunciante do mercado publicitário. Buscando aumentar sua participação em vendas na América Latina, a Nestlé vai investir US$ 86 milhões na instalação de uma fábrica de alimentos para cães e gatos em Ribeirão Preto.

É fato que muitos animais de estimação tomaram o espaço das crianças na rotina de algumas famílias – especialmente aquelas que não pretendem dispor de um cômodo a mais para abrigar um novo integrante.

Já é possível ver cães e gatos como herdeiros de grandes fortunas. O estilista britânico Alexander McQueen, que morreu em 2010, deixou em testamento uma herança de 50 mil libras (cerca de R$ 125 mil) a seus cachorros. Em carta, ele instruiu: “Cuidem dos meus cachorros. Desculpem-me. Eu os amo”. Justiça se faça: McQueen também deixou 16 milhões de libras (cerca de R$ 40,2 milhões) para ONGs, institutos de pesquisa, além de projetos ambientais e beneficentes.

Estudo da Universidade de Cambridge sobre a influência do convívio humano com animais revela que os filhos únicos de famílias inglesas – quando consultados – preferem um pet a um irmãozinho. No Brasil, onde cai a cada década o número de filhos por mulher, ter um animalzinho em casa para companhia das crianças pode ser uma tendência.CC

Nenhum comentário:

Postar um comentário