sábado, 31 de dezembro de 2016

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

HAPPY HOUR

QUE VENHA 2017!!!!!!!....

Se usar BRANCO atraísse paz, nenhum médico ficaria em DEPRESSÃO...
Se usar AMARELO atraísse dinheiro, o pessoal dos correios estavam RICOS...
Se usar VERMELHO resolvesse a vida amorosa, nenhum bombeiro se DIVORCIARIA.
O ano novo que se aproxima não terá nada de NOVO se nós não tivermos ATITUDES novas!
FELIZ ANO NOVO PARA TODOS....


PENSAMENTO DA SEXTA


NOSSO SOM










NOVO RECORDE- Desemprego atinge 12,1 milhões de pessoas no país

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua foi iniciada em 2012 (Foto: EBC)

De setembro a novembro deste ano, o desemprego atingiu 12,1 milhões de pessoas no país. O número equivale a 11,9% da população brasileira economicamente ativa. A taxa é um recorde da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), iniciada em 2012, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No mesmo período do ano passado, o desemprego atingia 9% da população economicamente ativa do país. Já no trimestre imediatamente anterior ao da mais nova pesquisa, ou seja, de junho a agosto, a taxa era de 11,8%.

No mais recente trimestre, 90,2 milhões de pessoas estão empregadas. No mesmo período do ano passado, o número era de 92,2 milhões. Segundo o IBGE, houve um corte de 1,9 milhão de vagas desde novembro de 2015.

A população economicamente ativa, por sua vez, aumentou de 101,2 milhões de setembro a novembro do ano passado para 102,3 milhões no mesmo período deste ano.IBGE/Valor Econômico

NSM -Temer assina decreto de reajuste do salário mínimo

Decreto assinado por Temer será publicado no Diário Oficial de amanhã / Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente Michel Temer assinou nesta quinta-feira (29) o decreto que reajusta o salário mínimo e estará publicado no Diário Oficial da União de amanhã.

De acordo com o Projeto de lei Orçamentária Anual (PLOA), que foi aprovado no dia 15 de dezembro pelo Congresso, o reajuste elevaria de R$ 880 para R$ 945,80. No entanto, o valor pode ser um pouco menor, já que a inflação do período tende a ser menor do que a que havia sido calculada.

Por lei, o reajuste do salário mínimo é feito com base na inflação do ano anterior e na variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.

Outra medida que deve sair amanhã no Diário Oficial é a questão do reajuste dos servidores públicos federais, conforme anunciou o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. Serão beneficiadas categorias que já tiveram aumento acordado com o governo, mas aguardavam a atualização dos salários.

ISS

Temer sancionou com vetos o projeto de lei de reforma do Imposto Serviços de Qualquer Natureza (ISS). Segundo fontes do Planalto, "alguns vetos" atendem às demandas feitas em encontro do presidente com prefeitos na manhã desta quinta-feira. A sanção estará publicada amanhã no Diário Oficial da União.

De acordo com o procurador-geral de Belo Horizonte, Rusvel Beltrame, o projeto desestruturou a sistemática de cobrança do imposto. "Na prática, serviços como administração de cartões de crédito, factoring e leasing não serão tributados. Por isso, defendemos o veto desta parte do projeto", afirmou, em nota. Segundo uma fonte do Planalto, o leasing será vetado.Estadão

EMBAIXADOR GREGO

Corpo carbonizado é encontrado em carro que seria de embaixador grego

Amiridis estava de férias no Rio de Janeiro e deveria voltar a Brasília no dia 9 de janeiro

A polícia do Rio de Janeiro encontrou um carro queimado com um corpo dentro, nesta quinta-feira, (29/12), em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. O veículo apresenta as mesmas características, inclusive a placa, do automóvel alugado pelo embaixador da Grécia, Kyriakos Amiridis, de 59 anos. O diplomata mora em Brasília, mas estava passando o fim de ano com a família no Rio de Janeiro. O embaixador foi visto pela última vez a segunda-feira, (26/12).

O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal de Nova Iguaçu, onde será examinado.

Amiridis é embaixador da Grécia no Brasil desde janeiro deste ano. De 2001 a 2004, ele ocupou o cargo de cônsul-geral no Rio de Janeiro, além de anteriormente ter sido embaixador da Grécia na Líbia, entre 2012 e 2016.CB

COMPORTAMENTO




LGBTs - Homicídios de LGBTs podem ser recorde em 2016

Ato contra homofobia no metrô de SP, onde ambulante morreu tentando defender uma travesti / Rovena Rosa/Agência Brasil

O número de homicídios de pessoas gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais deve crescer em 2016 e superar as ocorrências dos últimos anos. A tendência é revelada pelo Grupo Gay da Bahia, que anualmente elabora o Relatório de Assassinatos LGBT no Brasil. Dados preliminares do levantamento apontam que o ano deve ser fechado com o total aproximado de 340 mortes, maior número registrado nos últimos anos.

“No ano passado (2015), foram 318 mortes. Até agora, estamos com 329 mortes, mas temos alguns casos aguardando confirmação e o ano deve ser fechado com aproximadamente 340 mortes. Em 36 anos que monitoro os dados, nunca chegamos a esse número”, afirmou Luiz Mott, antropólogo fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB).

Segundo ele, o aumento se deve a vários fatores, como a coleta mais sistematizada de informações e a reação conservadora ao maior número de pessoas que vem assumindo sua condição sexual. “Hoje, tem mais homossexuais e trans saindo do armário por causa das paradas gays e outras campanhas; e isso os deixa mais expostos a situações de violência, o que levou ao aumento generalizado de crimes”, explicou Mott.

O estudo mostra que a maior parte das mortes (195) ocorreu em via pública, por tiros (92), facadas (82), asfixia (40) e espancamento (25), entre outras causas violentas. O assassinato de gays lidera a lista com 162 casos, seguido das travestis (80), transexuais femininas (50) e transexuais masculinas (13). A instituição recebe informações das mortes por outras entidades, por familiares e amigos das vítimas, mas a principal fonte da base de dados são os casos divulgados pela imprensa. O levantamento é reconhecido pela Secretaria Especial de Direitos Humanos.

A subnotificação das mortes ainda é um desafio para as entidades que monitoram o problema. Mas, só pelos resultados do último relatório, a ONG constatou que uma pessoa LGBT morre a cada 28 horas no Brasil. E se a tendência de aumento se confirmar, o intervalo pode cair para 24 horas. “É apenas a ponta do iceberg, porque muitos são assassinados e as testemunhas escondem”, disse Mott.

Nordeste lidera

O estudo mostra que a liderança dos casos nos últimos anos é do Nordeste, mas outras regiões tem despontado com casos graves. “Atribuo isso ao conservadorismo e à falta de informação. A surpresa deste ano é o estado do Amazonas, que registrou até o momento 29 mortes. Proporcionalmente, o dado é chocante, embora São Paulo sempre registre o maior número absoluto”, disse Mott.

Entre os casos contabilizados, está a morte recente do ambulante Luís Carlos Ruas, espancado na noite de Natal por dois homens, numa estação de metrô em São Paulo, ao defender moradores de rua e travestis. O GGB configurou o ataque como um crime LGBTfóbico. Apesar de se tratar da morte de um heterossexual, de modo indireto “não deixa de ter também um crime LGBTfóbico. Afinal, a confusão começou pela defesa de uma travesti”, explicou Agatha Lima, integrante do Conselho LGBT de São Paulo e da Associação de Transexuais, Travestis, Transgêneros.

Cerca de “99% dos crimes contra LGBTs tem como agravante a intolerância, além da vulnerabilidade de grupos como os travestis, que geralmente estão nas ruas em condições mais marginalizadas, envolvidas com prostituição e uso de drogas devido à exclusão sofrida em outros espaços da sociedade”, explicou Mott. A opinião é compartilhada por outras organizações de defesa dos direitos das pessoas Trans, que engloba homens e mulheres transexuais e travestis.

Líder mundial

O alto índice de violência levou o Brasil à liderança do ranking mundial de assassinatos de pessoas transexuais em 2016. Das 295 mortes de transexuais registradas até setembro deste ano em 33 países, 123 ocorreram no Brasil, de acordo com dados divulgados em novembro pela ONG Transgender Europe. O México, os Estados Unidos, a Colômbia e a Venezuela seguem o Brasil em números absolutos do ranking de mortes de transexuais.

O relatório europeu mostra que, de janeiro de 2008 a setembro de 2016, foram registradas 2264 mortes de transexuais e transgêneros em 68 países. Nos oito anos da pesquisa, o Brasil contabilizou 900 do total dos casos, o maior número absoluto da lista. “Há décadas o Brasil é campeão mundial nos crimes contra a população LGBT. Comparativamente aos EUA, por exemplo, matamos de 30 a 40 LGBTs por mês, enquanto que lá morrem 20 por ano. O principal motivo é a LGBTfobia individual e cultural, que incrementa os crimes letais no nosso país”, diz Mott.

A conselheira Agatha Lima, disse que as associações estão dialogando com a ONU sobre essa questão. “Em primeiro lugar, isso é um absurdo. Em segundo lugar, ao mesmo tempo que o Brasil é o país que mais mata, é também o que tem a maior clientela para os profissionais do sexo trans. No país inteiro, existem 1,4 milhão pessoas trans, e 90% delas vivem do mercado do sexo, por causa da exclusão e do preconceito que sofrem no mercado de trabalho formal, em casa e nas escolas”, disse.Agência Brasil

PRESIDÊNCIA DOS EUA - Obama diz que derrotaria Trump se tivesse concorrido às eleições

Donald Trump rejeitou a afirmação de Barack Obama (Fonte: Reprodução/AFP/Getty Images)

Em entrevista à emissora CNN, Barack Obama, que deixa a presidência dos EUA no próximo dia 20, disse que teria derrotado o republicano Donald Trump se tivesse disputado as últimas eleições norte-americanas.

Obama ressaltou que sua visão de esperança e mudança ainda conta com o apoio de muitas pessoas. “Tenho certeza que se tivesse voltado a me candidatar e tivesse a articulado, acredito que poderia mobilizar a maioria do povo americano a me apoiar”, disse Obama.

Ainda de acordo com Barack Obama, “a cultura realmente mudou e a maioria concorda com a noção de um país unido, tolerante, diverso, aberto, cheio de energia e de dinamismo”. O presidente norte-americano também lamentou o fato de os republicanos combaterem a visão de unidade dos EUA.

Em mensagem divulgada no Twitter, Donald Trump rejeitou a afirmação do atual presidente: “O presidente Obama disse que ele acredita que ganharia de mim. Ele pode ter dito isso, mas eu direi: SEM CHANCE”.

O republicano Donald Trump derrotou a democrata Hillary Clinton nas eleições de novembro com uma mensagem nacionalista, protecionista, contrária à imigração, às regulações governamentais e ao livre-comércio.G1

INTERFERÊNCIA NAS ELEIÇÕES - EUA preparam pacote de represálias contra a Rússia

Pacote deve ser anunciado até a próxima semana (Foto: Flickr/The White House)

Os Estados Unidos está prestes a anunciar uma série de medidas para punir a Rússia por interferir nas eleições presidenciais do país.

Segundo fontes próximas à Casa Branca, ouvidas pelo Washington Post, o pacote de represálias inclui sanções econômicas e censura diplomática. Ele está sendo finalizado e deve ser anunciado até a semana que vem.

As sanções são resultados de semanas de debates na Casa Branca sobre como atualizar uma lei criada em 2015 que autoriza o presidente em exercício a tomar ações contra ciberataques estrangeiros contra a segurança nacional e a economia do país, mas não inclui interferências em pleitos eleitorais.

A lei foi feita como uma ameaça para cessar a espionagem de hackers chineses em questões sigilosas de empresas americanas. Ela permite aos EUA congelar seus ativos em países envolvidos no ciberataque, bloqueia transações comerciais e bane a entrada nos EUA de pessoas envolvidas nas ações.

O governo Obama corre contra o tempo para adaptar a lei de forma que ela não possa ser alterada após Donald Trump assumir a presidência. “Parte do objetivo aqui é obter o máximo de apoio público e do Congresso de forma a dificultar a revogação da lei”, disse um membro de alto escalão do governo, em condição de anonimato, ao Washington Post.

POLÍTICA DE ASSENTAMENTOS - Um verdadeira bomba relogio

Kerry diz que Israel está minando a paz com a Palestina

Kerry disse que Israel ‘nunca terá paz’ sem a solução de dois Estados (Foto: U.S. Department of State)

O governo de Israel desistiu da criação de 600 novos assentamentos judeus na área leste de Jerusalém, região predominantemente palestina. Na última quarta-feira, 28, a pedido do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, o comitê municipal de Jerusalém cancelou a aprovação das novas moradias, que seriam as primeiras de um lote de 5.600 casas.

Segundo Hanan Rubin, membro do comitê municipal, a medida foi tomada porque o governo de Israel queria “evitar tensionar as relações com a administração Obama” antes do discurso do secretário de Estado americano, John Kerry, sobre o conflito entre Israel e Palestina previsto para aquela quarta-feira.

Porém, a medida não impediu Kerry de rechaçar as recentes ações de Israel. Em seu discurso, o último sobre o tema, Kerry disse que o governo de Israel está “minando” os esforços de paz e alertou que o país “nunca terá uma paz verdadeira com o mundo árabe se não chegar a um acordo que tenha como base Estados próprios para israelenses e palestinos”.

O secretário de Estado criticou duramente a política de assentamentos. Ele justificou a posição dos EUA em se abster de votar e de vetar a resolução da ONU aprovada na semana passada que condena os assentamentos judeus, afirmando que, os EUA não poderiam ficar em silêncio enquanto assistem os esforços de paz desaparecer.

Segundo Kerry, as ações de Israel mostram que o país caminha para uma “ocupação perpétua”. “A política de assentamentos está definindo o futuro em Israel. E seu propósito é claro. Eles acreditam em um único Estado: o Grande Israel. Apesar de nossos melhores esforços ao longo dos anos, a solução de dois Estados está agora sob sério risco”.

Kerry, que em 2004 foi candidato democrata à presidência derrotado por George W. Bush, fez da paz no Oriente Médio sua principal missão como secretário de Estado, cargo que ocupou nos últimos quatro anos. No discurso de quarta-feira, ele não escondeu sua frustração diante dos esforços de Netanyahu para avançar com sua política de assentamentos.

Nentanyahu, por sua vez, não escondeu a indignação com que recebeu o discurso de Kerry. Segundo ele, o secretário de Estado foi “tendencioso contra Israel” e seu governo foi criticado por “tocar a raiz do conflito: a oposição palestina a um Estado judeu quaisquer que sejam as fronteiras”.

Outro que se manifestou na quarta-feira, foi o presidente eleito dos EUA, Donald Trump. Em sua conta no Twitter, ele pediu que Israel “aguente firme” até sua posse. “Não podemos continuar deixando Israel ser tratado com total desdém e desrespeito. Eles costumavam ter um grande amigo nos EUA, mas… não mais. O começo do fim foi o horrível acordo com o Irã, e agora isso (ONU)! Aguente firme, Israel, 20 de janeiro chega rápido”, disse Trump, em referência à data em que tomará posse.

Netanyahu usou sua conta no Twitter para agradecer o apoio de Trump. “Presidente eleito Trump, obrigado por sua calorosa amizade e pelo seu claro apoio a Israel!”The New York Times

POLÍTICA EXTERNA - Trump quer mudar embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém

Embaixada americana em Tel-Aviv, em Israel (Foto: Wikimedia)

Como qualquer outro país que tem relações diplomáticas com Israel, os Estados Unidos tem uma embaixada em Tel Aviv em vez de em Jerusalém. No entanto, Donald Trump quer mudar isso.

Ele não é o primeiro americano a prometer mudar a embaixada para Jerusalém, seguindo o Jerusalem Embassy Act, que foi aprovado no Congresso em 1995. No entanto, todos os presidentes americanos desde então têm evitado o ato. Mudar a embaixada para Jerusalém simbolizaria o rompimento com um princípio de política externa de longa data de Washington.

Trump nomeou David Friedman, linha-dura pró-Israel que apoia o prosseguimento da construção de assentamentos judeus, como embaixador para Israel.

Apesar de Israel ter considerado Jerusalém como sua capital desde dezembro de 1949, a maioria dos países agarrou-se a resolução da ONU que dividia a Palestina para criar um estado judeu. Desta forma, Jerusalém não pertenceria a nenhum país.

A ideia da mudança da embaixada foi recebida com grande satisfação pelos membros do governo de Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, e com lamento pelos palestinos. Saeb Erekat, negociador-chefe dos palestinos, disse que isso vai “destruir o processo de paz”.
The Economist

PLANTANDO DINHEIRO - Lucro gerado pela maconha legal desperta interesse nos EUA

Embora potencialmente lucrativo, o ramo é evitado pelas grandes corporações (Foto: Flickr)

A Califórnia é considerada pioneira no cultivo da maconha legal. O impacto do setor da cannabis nas contas do estado é imensamente positivo. Somente no ano passado, ele gerou US$ 2,8 bilhões, e estima-se que, a partir de 2020, o setor vai render US$ 6,5 bilhões por ano.

A maior área de cultivo da erva na Califórnia foi anunciada em junho deste ano, pela empresa GFarms. Ela será localizada na cidade de Desert Hot Springs, que declarou falência em 2014 e este ano experimenta um boom econômico graças ao setor da maconha. O local terá 9290.304 m² e três enormes estufas.

Porém, a AmeriCann, uma empresa do Colorado, anunciou que pretende construir uma instalação muito maior em 2017, no estado de Massachusetts. Sem dar detalhes, a empresa afirmou que será a maior área para cultivo de maconha dos EUA.

A ideia de aproveitar o fluxo de renda gerado pela cannabis na Califórnia despertou a ambição de vários estados no setor. Não foi à toa que a proposta de legalização votada em um referendo em novembro mostrou-se bastante popular. Projeções apontam que, até 2020, o setor nacional da maconha vai gerar uma renda anual de US$ 50 bilhões.

Mas a transição do ilegal para o negócio legítimo não é rápida nem fácil. Ainda é difícil obter financiamento para um negócio que ainda é considerado ilegal pela esfera nacional. Logo, embora potencialmente lucrativo, o ramo é evitado pelas grandes corporações que mais se interessam pelo assunto: as indústrias do tabaco e farmacêuticas.QZ

NEGOCIAÇÃO POLÍTICA - Turquia e Rússia anunciam acordo de cessar-fogo na Síria

O conflito na Síria já dura seis anos (Fonte: Reprodução/Sana)

A agência turca Anadolu informou nesta quarta-feira, 28 que a Turquia e a Rússia fizeram um acordo de cessar-fogo por toda a Síria.

Ainda de acordo com a agência turca, o acordo visa estender o cessar-fogo estabelecido em Alepo por todo o país, excluindo, no entanto, os “grupos terroristas”.

O acordo deve servir como base para uma negociação política entre o regime sírio e a oposição que Moscou e Ancara visam organizar em Astana, no Cazaquistão.

Caso o cessar-fogo seja respeitado, o regime sírio se compromete a iniciar negociações com todas as forças da oposição a Damasco, com exceção dos grupos considerados terroristas. Desta forma, organizações políticas curdas, como PYD, Partido da União Democrática e as Unidades de Proteção do Povo, que combatem o Estado Islâmico no norte da Síria, podem ser excluídas das negociações.

A Turquia e a Rússia iniciaram há cerca de duas semanas os primeiros contatos para uma trégua em Alepo. O conflito na Síria já dura seis anos. Durante o período, vários acordos de cessar-fogo já foram violados.RTP

JUDEUS - Número de judeus alemães mortos na 2ª GM cresce

Memorial do Holocausto na Califórnia, nos EUA / Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos

Pesquisadores do Arquivo Nacional da Alemanha corrigiram o número de judeus alemães mortos durante o Holocausto, que passou de 160 mil para 175.191 assassinatos.

A informação é do Der Spiegel, que afirma que quase 90% dos judeus no país foram mortos nos campos de concentração a leste e que o restante acabou perdendo a vida dentro dos "velhos confins do Reich".

Os judeus alemães, diferentemente dos que viviam em outros países europeus conquistados depois pelas tropas do ditador nazista Adolf Hitler, puderam contar com um tempo maior para planejar a sua fuga e isso explica o motivo do número inferior de judeus mortos na Alemanha em comparação com o de outras nações.

De acordo com Nicolai Zimmermann, um dos funcionários do arquivo responsáveis pela correção, "na Grécia sobreviveu apenas 18% da comunidade judia e na Alemanha, 73%".Ao todo, cerca de 6 milhões de judeus morreram durante o Holocausto, entre os quais 1,5 milhão era crianças.Ansa

PONTE DE BEIPANJIANG - Ponte mais alta do mundo é inaugurada na China

A ponte tem 1.341 metros de extensão (Fonte: Reprodução/Lusa/Correio da Manhã)

A China inaugurou nesta quinta-feira, 29, a ponte mais alta do mundo. Erguida a 565 metros acima do rio Nizhu, a ponte de Beipanjiang liga as províncias de Yunnan e Guizhou. As informações foram divulgadas pela rede de TV estatal CCTV.

Mais de mil engenheiros e técnicos participaram da construção da ponte que tem 1.341 metros de extensão e custou 1 bilhão de iuanes, ou cerca de US$ 144 milhões. A obra começou em outubro de 2013 e terminou em setembro passado.

Trata-se da ponte com a maior distância vertical entre a sua plataforma e a superfície terrestre. O Departamento de Transportes de Guizhou informou que a altura total da ponte equivale à altura de um edifício de 200 andares.

A expectativa é de que a ponte reduza o tempo de viagem entre Yunnan e Guizhou de forma significativa: de cerca de cinco horas para uma hora e meia.

O aumento do fluxo de veículos graças à ponte de Beipanjiang deve atrair novos investimentos para a região.G1

CULTURA - Por que os europeus voltaram a ler Stefan Zweig?

'O Grande Hotel Budapeste' que concorreu ao Oscar em 2015, foi inspirado em sua obra (Foto: Wikipedia)

Depois dos últimos anos sombrios na Europa, o discurso volúvel e superficial da década de 1930 voltou à tona. Os laços de confiança entre as nações estão se rompendo e o antigo ditado que a União Europeia (UE) só progride em tempos de crise não passa de um mito. Os populistas estão conquistando cada vez mais espaço na política. O Reino Unido optou por sair da UE. E os países vizinhos da Europa a ameaçam como a Rússia, ou criam uma crise de extrema gravidade com a entrada em massa de refugiados no território europeu. Há pouco tempo, um eurocrata com opiniões mais radicais disse temer uma nova guerra entre a França e a Alemanha.

Não surpreende que os europeus, diante de um futuro tão incerto e sombrio, estejam redescobrindo Stefan Zweig. Um escritor prolífico e autor de romances, biografias e ensaios políticos, Zweig personificou o europeu culto do período entre guerras. Um judeu que viu os nazistas queimarem seus livros, Zweig foi obrigado a partir de seu país natal, a Áustria, em 1934, e, em seguida, da Europa. O sucesso literário de Zweig foi eclipsado por escritores contemporâneos como Thomas Mann e Joseph Roth.

Mas seu testemunho da catástrofe ocorrida na Europa e a dedicação à causa da união europeia ajudaram a retomar o interesse por seus livros. O Grande Hotel Budapeste, um filme inspirado em sua obra e que concorreu ao Oscar em 2015, também despertou o interesse de um público mais jovem.

Em O mundo de ontem, um relato autobiográfico de sua vida na cosmopolita Viena fin-de-siècle, Zweig se despede de seu lar espiritual, a Europa, destruída pela segunda vez por uma guerra mundial. Em 1942, Zweig e sua jovem esposa suicidaram-se em sua casa em Petrópolis.

Na dura avaliação do crítico John Gray, Zweig demonstrou tão pouca coragem durante a vida que sua morte não poderia ser considerada uma tragédia. Mas não esconde a ironia dos acontecimentos futuros. Em 1957, seis países europeus criaram a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (Ceca), que nos anos seguintes deu início ao projeto de união econômica e política dos países da Europa, que Zweig tanto sonhou e defendeu. Uma organização criada em bases tão prosaicas não entusiasmaria a imaginação criativa do escritor e, além disso, com sua mistura pan-europeia Bruxelas jamais se igualaria a Viena de Zweig. Porém a iniciativa teve o objetivo de realizar por meios burocráticos o que Zweig havia esperado alcançar com a educação e a cultura, ou seja, fazer com que a guerra entre a França e a Alemanha, por exemplo, fosse não só impensável, como também impossível.

Em um discurso recente Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, mencionou a observação de Zweig que as pessoas envolvidas em um processo de mudança histórica não percebem seu início. Tusk lamentou o fato de a “armadilha do fatalismo” ter seduzido os políticos moderados atuais que enfrentam a ameaça do populismo. Na época de Zweig, os liberais cediam “quase sem luta, mesmo se tivessem todas as cartas nas mãos”.

As crises dos últimos anos proporcionaram uma resposta. Embora alguns problemas da União Europeia possam ser atribuídos a erros inerentes à sua organização, como a integração furtiva que às vezes tratou os eleitores como pessoas inoportunas, ou as falhas na concepção da moeda única, outros surgiram em decorrência de fatores externos e exigiram uma reação coordenada. Sem a UE, a ameaça da Rússia seria muito maior e os países em conflito teriam tido ainda mais dificuldade para enfrentar a crise migratória. Problemas como mudança climática e terrorismo demandam uma ação coordenada. Apesar de todos os erros e equívocos da UE, as dificuldades da Europa seriam muito mais difíceis de solucionar em sua ausência.The Economist

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Mensagem do Dia

MEIO AMBIENTE - Mais um alerta...

Florestas brasileiras perderam vegetação equivalente a 5 DFs em dois anos


O desmatamento reduziu o número de florestas brasileiras em 0,8% entre 2012 e 2014. Isso representa uma área de 24,9 mil quilômetros quadrados, cinco vezes o território do Distrito Federal. Apesar do número alarmante, o valor representa uma desaceleração do desflorestamento se comparado ao registrado no período anterior, - entre 2010 e 2012 -, quando a área florestal do país diminuiu 1,8%. O balanço foi divulgado nesta quarta-feira, (28/12), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A redução das pastagens naturais se intensificou e passou de 7,8%, entre 2010 e 2012, para 9,4%, entre 2012 e 2014. De acordo com o IBGE, a agricultura foi uma das principais causadoras das alterações no uso da terra no país. A expansão das áreas dedicadas a essa atividade econômica foi de 8,2% entre 2012 e 2014, um pouco abaixo do índice registrado no biênio anterior, quando o IBGE registrou um aumento da área dedicada à agricultura de 8,6%.


O mapeamento também destaca que as mudanças não ocorreram de forma homogênea pelo país. Nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste, especialmente nos locais inseridos no bioma Mata atlântica, o processo de ocupação é mais antigo e as formas de cobertura e uso da terra são mais estáveis, logo são menos suscetíveis a mudanças se comparado com as regiões Norte e Centro-Oeste.CB

CONTRATOS - Panamá vai excluir Odebrecht de obras públicas

Além do Panamá, a Odebrecht admitiu o pagamento de propina em outros dez países (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Em anúncio feito nesta terça-feira, 27, o governo do Panamá afirmou que vai proibir a construtora brasileira Odebrecht de obter novos contratos de obras públicas no país. O impedimento irá valer até que a Odebrecht devolva o dinheiro desviado em esquemas de corrupção e subornos.

De acordo com o ministro da Presidência do Panamá, Álvaro Alemán, o governo também fará com que a construtora desista de licitações que estão em andamento, como a da construção de uma ponte sobre o Canal do Panamá e a da linha 3 do metrô.

O governo do Panamá também irá adotar ações para que a Odebrecht devolva a concessão do projeto hidrelétrico Chan 2 e cancele o contrato de associação para a obra, ainda não iniciada, que foi assinado em junho de 2014 por US$ 1,049 bilhão — sem que haja custo para o Estado.

Documentos divulgados na última semana pelo Departamento de Justiça dos EUA revelaram o pagamento de US$ 59 milhões em subornos a funcionários panamenhos pela Odebrecht. A construtora também admitiu o pagamento de propina em outros dez países, comprometendo-se a pagar multas aos governos dos EUA, Brasil e Suíça que totalizam US$ 2,047 bilhões.G1

ARGENTINA - Cristina Kirchner é indiciada por corrupção

A decisão judicial inclui também um embargo de US$ 666 milhões contra a ex-presidente (Foto: Presidência da Argentina)

O juiz argentino Julián Ercolini indiciou a ex-presidente Cristina Kirchner por suposta formação de quadrilha para desviar recursos de obras públicas para a Austral Construções. A decisão judicial inclui também um embargo de US$ 666 milhões contra a ex-presidente. Com o início do processo, o juiz pode impedir que ela saia do país ou até decretar sua prisão preventiva, caso ache necessário.

Desde que Kirchner deixou o poder, esta é a segunda vez que ela é processada, mas é a primeira vez que é acusada por corrupção. O primeiro processo dizia respeito à venda de “dólar futuro” por parte do Banco Central. Não era um caso de corrupção, mas de prejuízo ao Estado. Segundo a acusação, a Casa Rosada montou um “plano criminoso” para favorecer a Austral Construções. O sistema funcionava assim: vendia-se aos investidores o chamado “dólar futuro” por 10 pesos, quando todos os economistas sabiam que, independentemente de quem ganhasse as eleições, haveria uma desvalorização. Ou seja, quem comprasse esses “dólares futuro” receberia em março, quando vencessem os títulos, muito mais do que o montante investido. O ganho foi de 50%. A questão era que comprar os “dólares futuros” por 10 pesos era uma pechincha, e o pagador e prejudicado era o Estado.

O processo não se limita a Kirchner, mas também ao dono da empresa investigada, Lázaro Báez; ao ex-ministro de Planejamento, Julio De Vido; e ao ex-secretário de Obras Públicas, José López.

Quem são os outros processados?

Lázaro Báez é um empresário que criou a Austral Construções. A empresa foi amplamente beneficiada pelas obras públicas do governo kirchnerista. Ele está detido e é acusado de lavagem de dinheiro.

José López foi secretário de Obras Públicas da Argentina durante os governos de Néstor e Cristina Kirchner. Ele indicava quais empresas deveriam receber pelas obras públicas. A Austral Construções estava entre as primeiras. López conseguiu cobrar mais de 35% (percentual proibido por lei) em adiantamento do montante total das obras. Ele está preso desde que a polícia o encontrou escondendo US$ 5 milhões em um mosteiro em junho.

Julio de Vido atualmente é deputado da Frente para la Victoria. De 2003 a 2015 foi ministro de Planejamento. Era ele que habilitava o dinheiro em favor de Lázaro Báez.El País

ARGENTINA 2 - Hotel de Cristina Kirchner está sendo investigado pela Justiça

Fachada do hotel da família Kirchner em El Calafate (Reprodução / Folha)

A empresa Hotesur, que administra o hotel da família Kirchner, em El Calafate, cidade onde o casal iniciou sua vida pública, é alvo de investigação da Justiça argentina. O juiz Claudio Bonadio emitiu um mandato de busca e apreensão na sede administrativa do hotel em Buenos Aires.

Mas o jornal local Periodismo para Todos, informou que o lugar indicado como endereço da sede da empresa está vazio há anos. A Hotesur não informou um novo endereço e nem entregou os últimos balanços da empresa. A Justiça então resolveu investigar a evolução patrimonial de Cristina Kirchner, já que não teve acesso aos resultados da empresa.

A presidente da Argentina em entrevista ao canal de notícias TN, afirmou que todos sabem que os cassinos e hotéis são as operações de lavagem de dinheiro mais fáceis para se encobrir. Kirchner disse ainda que Lázaro Báez, empresário que está sendo investigado pela polícia dos Estados Unidos, pagou várias diárias em seu hotel sem usá-las.Folha

INTERFERÊNCIA NAS ELEIÇÕES - EUA prepara pacote de represálias contra a Rússia

Pacote deve ser anunciado até a próxima semana (Foto: Flickr/The White House)

Os Estados Unidos está prestes a anunciar uma série de medidas para punir a Rússia por interferir nas eleições presidenciais do país.

Segundo fontes próximas à Casa Branca, ouvidas pelo Washington Post, o pacote de represálias inclui sanções econômicas e censura diplomática. Ele está sendo finalizado e deve ser anunciado até a semana que vem.

As sanções são resultados de semanas de debates na Casa Branca sobre como atualizar uma lei criada em 2015 que autoriza o presidente em exercício a tomar ações contra ciberataques estrangeiros contra a segurança nacional e a economia do país, mas não inclui interferências em pleitos eleitorais.

A lei foi feita como uma ameaça para cessar a espionagem de hackers chineses em questões sigilosas de empresas americanas. Ela permite aos EUA congelar seus ativos em países envolvidos no ciberataque, bloqueia transações comerciais e bane a entrada nos EUA de pessoas envolvidas nas ações.

O governo Obama corre contra o tempo para adaptar a lei de forma que ela não possa ser alterada após Donald Trump assumir a presidência. “Parte do objetivo aqui é obter o máximo de apoio público e do Congresso de forma a dificultar a revogação da lei”, disse um membro de alto escalão do governo, em condição de anonimato, ao Washington Post.

ENERGIA HIDRELÉTRICA - Etiópia inaugura a usina mais polêmica do mundo

Obras foram financiadas por um empréstimo chinês de US$ 470 milhões (Foto: Twitter)

O governo da Etiópia gosta de projetos ambiciosos. O país tem o primeiro sistema moderno de metrô elétrico da África Subsaariana, o mais amplo programa de habitação da região e o maior exército. Este mês, o país adicionou outro item a essa lista: a usina hidrelétrica mais alta do mundo.

Após anos de atraso, gerados, principalmente, por falta de financiamento, o primeiro-ministro do país, Hailemariam Desalegne, finalmente inaugurou a usina hidrelétrica Gibe III. Localizada no rio Omo, ela tem 243 metros de altura e capacidade para dobrar a produção de energia do país.

Apelidada de “torre de água da África”, a Etiópia há muito vem buscando formas de aproveitar a energia dos rios que descem de suas montanhas. Gibe III é a mais recente tentativa. Junto com a usina, será inaugurado o maior reservatório de água da África.

Porém, onde quer que sejam construídas, usinas hidrelétricas são sempre alvo de críticas. Um estudo da Universidade de Oxford publicado em 2014 concluiu que as usinas quase sempre prejudicam economias em desenvolvimento, afundando-as em dívidas e sem promover benefícios para a população deslocada pelo projeto.

Mas Gibe III tem sido especialmente polêmica desde que seu projeto foi iniciado, em 2006. O Banco de Desenvolvimento Africano, o Banco Mundial e o Banco de Investimento Europeu se recusaram a financiar o projeto diretamente. No fim das contas, as obras foram bancadas por um empréstimo de US$ 470 milhões, concedido pelo governo chinês.

A grande controversa é que, ao regular o fluxo do rio Omo, a usina trará consequências significativas para milhares de pessoas que dependem da cheia anual do rio. Isso em uma época que a Etiópia sofre uma seca sem precedentes. Segundo ativistas, não houve cheia em 2015 e a deste ano não foi suficiente para sustentar as colheitas. Para piorar, as comunidades que serão afetadas não foram consultadas pelo governo.

No Lago Turkana, no Quênia, onde o rio Omo deságua, o impacto será ainda maior. O nível do lago caiu quase 1,5 metro nos últimos 18 meses, desde que o reservatório de Giba III começou a encher. Isso afetou a pesca no Turkana. Estima-se que o Omo é responsável por quase 90% das águas que abastecem o Turkana. O controle do fluxo do Omo pode fazer o lago desaparecer por completo.

Diante das críticas, ao governo etíope endureceu sua posição a favor de Gibe III. O ex-primeiro-ministro Meles Zenawi, morto em 2012, garantiu que a usina seria concluída “a qualquer custo”. Ele rejeitou as críticas ao projeto, chamando-as de opiniões de pessoas que “não querem o desenvolvimento da África, que querem que continue subdesenvolvida para servir de museu para turistas”.The Economist

COMÉRCIO FLUVIAL - Paraguai, uma improvável potência naval

Dois grandes rios são as artérias do país: o Rio Paraná e o Rio Paraguai (Foto: Wikimedia)

O Paraguai é chamado às vezes de “coração da América do Sul”. Nesse caso, dois grandes rios são suas artérias. Além da abundância da energia hidrelétrica, os rios Paraná e Paraguai são a força vital da pequena economia comercial do país. Na ausência de ferrovias e boas estradas, as vias navegáveis garantem a independência logística de seu comércio. O Paraguai, um país com apenas 7 milhões de habitantes, orgulha-se de ter a terceira maior frota de barcaças e rebocadores do mundo, atrás dos Estados Unidos e da China com, respectivamente, 319 milhões e 1,4 bilhão de habitantes.

Nos arredores da capital, Assunção, uma grande quantidade de farinha de soja armazenada em um silo aguarda o carregamento. Em um cais, um guindaste retira a carga de caminhões Isuzu japoneses de um cargueiro de contêineres. Em Puerto Fénix, o comércio teve um crescimento de 75% nos últimos oito anos, disse o gerente de operações, Pablino Gómez. Puerto Fénix é um porto privado, como a maioria dos portos do país. Ao contrário de muitos países, o Paraguai permite que pessoas físicas e empresas comprem terras à margem dos rios para construir portos e, com esse incentivo, a concorrência é enorme.

Há 20 anos, 15 comboios com 20 a 30 barcaças faziam a rota do Brasil através do Paraguai até o mar no Uruguai e Argentina, lembra Fernando González da companhia de navegação Naviship. Hoje, 200 rebocadores puxam cerca de 2.200 barcaças, a maioria transportando soja e outras commodities. Muitas embarcações pertencem a empresas estrangeiras, entre as quais empresas argentinas, com sede no Paraguai, que se beneficiam dos baixos impostos.

A arrecadação menor de impostos significa um investimento mais reduzido na melhoria dos serviços públicos. Quando as autoridades locais não se preocuparam com a manutenção de uma estrada de terra que ligava Puerto Fénix a uma autoestrada, a administração do porto pagou para asfaltá-la. Às vezes, as barcaças encalham prejudicando o fluxo de mercadorias, quando o governo não draga os locais críticos dos rios.

Mas o comércio fluvial ficou mais instável. Desde o início da recessão da economia brasileira em 2014, o comércio de commodities na região diminuiu, apesar das exportações agrícolas ao sul. As barcaças precisam transportar o máximo de carga possível a fim de ter lucro. Agora, algumas lutam com dificuldade para manter suas atividades regulares. Nos meses de março e abril o transporte de mercadorias para Assunção, onde a maioria seria transportada em caminhões para o Brasil reduziu-se a tal ponto, que dois dos três cargueiros de contêineres da Naviship não saíram do porto.The Economist

PEQUIM - China prende centenas em operação contra prostituição

Fachada de uma casa de prostituição, em imagem de 2007 (Fonte: Reprodução/AFP)

Uma operação policial contra a prostituição em casas noturnas de Pequim, na China, resultou na prisão de centenas de pessoas no último final de semana.

De acordo com o Departamento de Segurança Municipal de Pequim, as prisões ocorreram em boates de Dongcheng, no centro da cidade, e de Haidian, no norte.

Cerca de 60 pessoas, incluindo garços e seguranças, foram detidas em uma casa popular chamada Baoli Club na última sexta-feira, 23. A operação ocorreu sem aviso prévio.

Em um outro clube chamado Landai, 300 empregados foram presos, incluindo cerca de 100 mulheres. As autoridades informaram que as casas noturnas que foram alvos da operação contra a prostituição em Pequim vão ficar fechadas durante as investigações.Veja

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Mensagem do Dia

FIM DA ‘ERA RENAN’ - Disputa pela presidência do Senado abre racha no PMDB

Eunício, Jucá e Renan são citados na Operação Lava Jato (Foto: EBC)

O recesso parlamentar começou há dez dias e só termina em fevereiro de 2017. Porém, no Senado, sossego é algo distante. Isso porque a primeira pauta da Casa na volta aos trabalhos será eleger a nova Mesa Diretora e a disputa pela presidência do Senado provocou um racha no PMDB.

Renan Calheiros (PMDB-AL) deixará a presidência do Senado, mas não quer perder o controle e influência que tem sobre a Casa. Ele pretende emplacar o senador Romero Jucá no posto (PMDB-RR) e se tornar líder do PMDB no Senado ou presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Porém, peemedebistas temem que a permanência de Renan em um posto influente do Senado intensifique a disputa entre o Legislativo e o Judiciário, acirrada após o senador se esforçar para aprovar a proposta de abuso de autoridade para magistrados e procuradores. Atualmente, a proposta está parada na CCJ.

No outro front está Eunício de Oliveira (PMDB-CE), atual líder da bancada do PMDB no Senado. Nos últimos dias, ele tem se dedicado a fazer contatos para garantir apoio a sua candidatura. Ele firmou um acordo com parlamentares do PSDB e do PT. Os tucanos ficariam com a vice-presidência do Senado, enquanto os petistas levariam a primeira secretaria. Os nomes cogitados para os postos são Paulo Bauer (PSDB-SC) e José Pimentel (PT-CE).

Eunício, Jucá e Renan são citados na Operação Lava Jato. Eles aparecem na planilha de propinas e caixa dois da Odebrecht com os codinomes “Justiça” (Renan), “Índio” (Eunício) e “Caju” (Jucá). A permanência em um posto alto do Senado garantiria mais força aos três para a defesa contra as acusações de envolvimento em corrupção.Congresso em Foco

COMPORTAMENTO




CRISE ECONÔMICA - A recessão reforça a oposição na Argentina

Um em cada 12 argentinos está desempregado (Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil)

Ao ser perguntado há pouco tempo que nota daria para o primeiro ano de seu governo como presidente da Argentina, Mauricio Macri atribuiu a nota 8 em uma escala de 0 a 10. Essa falta de modéstia é justificada. Quase 15 dias depois de tomar posse, Macri eliminou as políticas populistas de sua antecessora, Cristina Fernández de Kirchner. Diminuiu a rigidez nos controles cambiais; impediu que o Instituto Nacional de Estatística continuasse a manipular os índices da inflação; e solucionou a disputa com os credores da dívida pública em atraso, o que permitiu o retorno da Argentina aos mercados de capitais.

Os argentinos têm sido menos generosos nos elogios. Macri havia dito que a confiança em seu governo e o crescimento econômico do país diminuiriam o impacto negativo das reformas. Mas a economia continua debilitada. Segundo previsões do FMI, o PIB teria uma redução de 1,8% em 2016. Em outubro, a produção industrial caiu 8%, em comparação com o mesmo período do ano anterior; o setor de construção teve uma queda de 19%. Um em cada 12 argentinos está desempregado. Os índices da inflação não podem mais ser manipulados, mas permanecem em 35%. Com a renda reduzida, as famílias estão gastando 7,5% menos em produtos básicos do que em 2015, de acordo com a empresa de consultoria CCR.

Sem uma maioria no Congresso, até há pouco tempo o presidente enfrentou uma ruptura entre alas rivais. O movimento peronista predominante antes unido pela presença de Cristina Kirchner dividiu-se após sua derrota na disputa presidencial: os moderados apoiaram algumas das ideias de Macri; os radicais se opuseram. Com o recuo da perspectiva de crescimento, os dois campos puseram suas diferenças de lado.

Macri espera que os opositores ao seu governo encontrem dificuldade em criar obstáculos às suas propostas, assim que seus planos de recuperação econômica começarem a dar resultado. Nas previsões do governo o país teria um crescimento de 3,5% em 2017, estimulado pelas exportações agrícolas e o fim de uma recessão profunda no Brasil, o maior parceiro comercial da Argentina. Mas essas previsões não têm uma base concreta. A recuperação econômica do Brasil frustrou as expectativas. E o comércio pode ser alvo de medidas protecionistas adotadas por um número crescente de países. O segundo ano do governo de Macri pode ser ainda mais difícil do que o primeiro.
The Economist

MEIO AMBIENTE - Peru e Bolívia prometem limpar lago Titicaca

Lago Titicaca fica entre a Bolívia e o Peru (Foto: Wikimedia)

O lago Titicaca, que fica entre a Bolívia e o Peru, é considerado o lago navegável mais alto do mundo. Apesar de famoso, ele está em risco. Atualmente, já está cheio de espuma e seu cheiro é ruim.

O Titicaca é fonte de sobrevivência dos Uros, um povo pré-colombiano que fez ilhas artificias no lago para viver com maior segurança. As famílias vivem da pesca e da caça para sobreviver, e atualmente, também do turismo.

Ilha artificial dos Uros (Foto: Wikimedia)

As ilhas, as casas e os barcos dos Uros são feitos com totoras, uma planta aquática. Ou seja, basicamente, tudo que os Uros precisam para sobreviver vem do Titicaca: as totoras, os peixes que eles comem, a água que eles bebem. Por isso, a contaminação desse lago pode ameaçar seu estilo de vida.

A contaminação tem relação com as cidades ao redor do lago. A peruana Puno, por exemplo, virou uma cidade de 120 mil pessoas, enquanto sua rede de esgoto só suporta um terço deste número. Mas nem toda contaminação é visível: no rio Ramis, um afluente do lago, foi encontrado alto nível de mercúrio, que provavelmente vem da mineração de ouro na região.

O engenheiro Alfredo Mammani Salinas, que trabalha para a Autoridade Binacional do Lago Titicaca, que monitora o lago, diz que eles ainda estão no processo de saber o quão contaminado o lago está.

Em novembro, o presidente peruano Padro Pablo Kuczynski, que assumiu em julho, concordou com o presidente boliviano Evo Morales em começar um plano de US$ 500 milhões para limpar o lago.

O primeiro passo, com um custo estimado de US$ 63 milhões, é construir dez instalações de tratamento de água para assegurar que a água que entre no lago esteja livre de resíduos industriais e esgoto.

A promessa de tratamento da água é uma esperança para os Uros. Joel Porcela, que vive com a família nas ilhas artificiais, acredita que o novo presidente vai fazer um bom trabalho para limpar o lago, porque ele cresceu na área. “Ele entende o problema que nós temos.”

Além da contaminação, existe outra grande questão. Em novembro de 2015, o lago Poopo, na Bolívia, secou, e o que sobrou foi uma planície de sal, como o Salar de Uyuni, na Bolívia. Assim como o Poopo, o lago Titicaca também está diminuindo, algo que já pode ser claramente visto nas fotos de satélite.

Todos os dias os Uros levam barcos cheios de turistas para suas ilhas. Apesar de contar sobre suas tradições, eles normalmente não falam sobre a contaminação do lago. Mas Porcela diz que quando um turista joga uma garrafa no lago, ele fica com raiva. “Sem o turismo nestas ilhas, nós provavelmente não existiríamos mais. Mas eles precisam respeitar nosso lago.”Aljazeera

IGREJA POSITIVISTA - Antigo templo republicano se deteriora no Rio

Lema do positivismo está estampado na bandeira nacional (Foto: Facebook)

A Igreja Positivista do Brasil foi fundada em 1881, no bairro da Glória, zona sul do Rio de Janeiro. Seus fundadores, Miguel Lemos e Raimundo Teixeira Mendes, eram entusiastas do positivismo, conceito criado pelo filósofo francês Augusto Comte, que prega o conhecimento científico como o único conhecimento verdadeiro.

Em seus anos de esplendor, a igreja foi palco de reuniões de republicanos contrários à elite escravocrata e acalorados debates sobre ideias republicanas influenciadas pela França. As ideias discutidas no local ajudaram moldar o Brasil moderno que emergiu após o fim do império.

Apesar da importância histórica, o lugar hoje se encontra abandonado. As paredes estão pichadas, há buracos no telhado e pombos dominam e sujam a ala central da igreja. Um vigia é encarregado de proteger o local contra ladrões que vasculham prédios antigos e abandonados da cidade.

“Tragicamente, nossa instituição agora se encontra negligenciada, como se o Brasil desdenhasse da história”, diz Christiane Souza, Diretora de Patrimônio da igreja.

De fato, os brasileiros sabem pouco sobre o positivismo, mesmo tendo o lema da corrente filosófica estampado em sua bandeira nacional. A expressão “Ordem e Progresso” é uma abreviação do lema do positivismo: “O Amor por princípio e a Ordem por base; o Progresso por fim”.

Em uma explicação breve, o positivismo busca reorganizar a sociedade em torno do conceito de que as explicações derivadas da ciência devem ser tidas como uma forma de entender o mundo. Assim, Comte criou sua própria religião, a Religião da Humanidade, que ganhou adeptos no mundo todo. Ela determina que não há eventos sobrenaturais e que todos os fenômenos provém da natureza. Trata-se de uma busca pela espiritualidade plenamente humana, que crê que o ser humano, esclarecido pela ciência, pode viver de forma totalmente pacífica e altruísta.

Algumas características da igreja lembram o catolicismo, em especial a decoração. Os adeptos exaltavam um ícone feminino similar à Virgem Maria: Clotilde de Vaux, mulher por quem Comte foi apaixonado.

Em outros países, o local onde personalidades tão esclarecidas debateram ideias seria consagrado como um museu. Mas não no Brasil. Não no Rio de Janeiro, onde no ano passado foi inaugurado um extravagante Museu do Amanhã para contemplar o futuro, enquanto casas e prédios da belle époque da cidade se deterioram.

A negligência em relação à Igreja Positivista do Brasil afronta à célebre frase dita por Comte e inscrita na entrada neoclássica do templo: “Os vivos são sempre e cada vez mais governados pelos mortos”, que remete ao culto à memória dos mortos pelo legado deixado por eles para humanidade.The New York Times

POPULAÇÃO CARCERÁRIA - Holanda enfrenta ‘crise penitenciária’ às avessas

Menos de 10% dos detentos voltam à prisão na Holanda (Fonte: Reprodução/BBC)

O número de detentos na Holanda caiu 43% nos últimos dez anos. Atualmente, o país tem 57 presos para cada 100 mil habitantes. Dezenove prisões foram fechadas nos últimos anos no país e a expectativa é de que outras serão desativadas em 2017.

O Brasil, por exemplo, tem 300 presos para cada 100 mil habitantes. Já os EUA, com a maior população carcerária do mundo, tem 707 presos para cada 100 mil habitantes.

A Holanda vive atualmente uma “crise penitenciária” às avessas. Com presídios vazios, o governo holandês tem alugado prédios inteiros para países vizinhos, como a Bélgica e a Noruega. Já foi aberto até mesmo um hotel de luxo em um presídio desativado no país.

A expectativa é de um decréscimo na população carcerária. Além disso, os detentos na Holanda são preparados para voltar ao convívio social, participando de uma série de iniciativas de reabilitação.

Menos de 10% dos detentos voltam à prisão na Holanda. No Reino Unido e nos EUA, por exemplo, aproximadamente 50% dos detentos cumprindo pequenas penas voltam a ser presos nos primeiros dois anos após serem liberados. Estudos apontam que no Brasil a taxa geral de reincidência chega a 70%.

Críticos afirmam, no entanto, que a escassez de presos na Holanda está relacionada a uma espécie de impunidade, problemas em registrar queixas e também a uma insatisfação de agentes penitenciários, uma vez que a polícia estaria sobrecarregada.BBC

ONU - Israel pune países que condenaram assentamentos judaicos

‘Aqueles que estiverem contra nós serão derrotados’, disse Netanyahu (Foto: kremlin.ru)

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, lançou uma ofensiva de represálias contra os 12 países que votaram a favor da condenação dos assentamentos judaicos em territórios palestinos na última sexta-feira, 23, em uma sessão do Conselho de Segurança da ONU.

Netanyahu ordenou a seus ministros que se abstenham de viajar nas próximas quatro semanas para Rússia, França, Espanha, Reino Unido, China, Japão, Egito, Uruguai, Angola, Ucrânia, Senegal e Nova Zelândia. Netanyahu também proibiu seus ministros de se reunirem com representantes dos países listados e convocou os respectivos embaixadores para expressar um protesto formal.

O primeiro-ministro israelense enviou uma mensagem de alerta para os 12 países em questão na véspera de Natal, em uma cerimônia para acender a primeira vela do candelabro da festa do Chanucá, data que celebra o levante dos judeus no século II aC. “Aqueles que estiverem contra nós serão derrotados, porque pagarão um preço diplomático e econômico por suas ações contra Israel”, disse Netanyahu, invocando o espírito de Judas Macabeu.

A resolução 2334 declara ilegais os assentamentos judaicos em territórios palestinos por violarem as normas do direito internacional. Ela declara que as colônias judaicas não têm “validade legal”.

A condenação reflete o isolamento do governo Netanyahu. Ela foi aprovada com todos os votos a favor, exceto o dos EUA, que se absteve da votação e de exercer seu poder de veto. Embora não tenha caráter coercitivo, a resolução pode gerar problemas legais para Israel, caso a Palestina a invoque perante o Tribunal Penal Internacional.

Netanyahu declarou que a votação foi “tendenciosa e hostil” e disse não ter dúvidas que o governo de Barack Obama está por trás da resolução.El País

JOGOS DE AZAR - Entra em vigor no Japão polêmica lei que legaliza cassinos

(Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Uma controversa lei que legaliza a abertura de cassinos entrou em vigor nesta segunda-feira, 26, no Japão. A medida, impulsionada pelo Partido Liberal-Democrata, do premier Shinzo Abe, tem a rejeição majoritária da oposição.

Com a nova lei, serão permitidos jogos de azar em cassinos de hotéis e complexos de lazer. A oposição considera que a abertura de cassinos pode reativar o problema da ludopatia (dependência ao jogo) no país e também colocar em risco a segurança pública.

O governo agora vai ampliar a legislação para implementar a norma e também visando enfrentar os problemas associados aos cassinos, incluindo a dependência ao jogo e a participação do crime organizado nos negócios.

A legislação japonesa proíbe, de forma geral, apostas e jogos de azar. Cabe exceções nos casos de corridas de cavalos e esportes a motor, além de loterias administradas por governos locais.

O governante Partido Liberal-Democrata argumenta que a legalização dos cassinos visa atrair mais visitantes estrangeiros além de fomentar a despesa deles no Japão. A medida também está incluída em um projeto de promoção do turismo no país.G1

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Mensagem do Dia

ELEIÇÕES 2018 - Presidenciáveis de 2018 são citados na Lava Jato

Todos os presidenciáveis de 2018 já foram citados na Lava Jato (Foto: Flickr)

As eleições presidenciais de 2018 prometem ser agitadas. Os nomes mais cotados para disputar o pleito são Lula (PT), Aécio Neves (PSDB), Geraldo Alckmin (PSDB), Michel Temer (PMDB) e Marina Silva (Rede). Todos eles já apareceram em delações premiadas da Operação Lava Jato. Confira abaixo as respectivas suspeitas.


Lula (PT):
Apontado como líder em todas as simulações de 1º turno, segundo uma pesquisa divulgada no último dia 12, pelo Datafolha, o ex-presidente Lula é o único réu entre os potenciais candidatos. Ele responde a cinco processos no Supremo Tribunal Federal (STF), sendo três relacionados à Lava Jato, um à Operação Zelotes e outro à Operação Janus.

Marina Silva (Rede):

Em segundo lugar nas intenções de voto e líder em todas as simulações de 2º turno está a ex-senadora Marina Silva.

Ela foi citada na proposta de delação de Léo Pinheiro, da OAS, que acabou sendo suspensa pela Justiça. Segundo Pinheiro, Marina teria recebido caixa dois para sua campanha de 2010, mas não queria ser associada à OAS.

A defesa de Marina aponta a prestação de contas da campanha da ex-senadora ao TSE e diz que isso “é suficiente para identificar a inverdade da ‘notícia’ relatada’”.

Aécio Neves (PSDB): aecio neves

Em terceiro lugar, está o senador Aécio Neves, líder do PSDB e parlamentar mais citado em delações da Operação Lava Jato.

Ele é investigado por recebimento de propina, acusação feita na delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral. Ele acusa Aécio de receber propina em Furnas, subsidiária da Eletrobras. Ele também é acusado de maquiar dados do Banco Rural para a CPI dos Correios, em 2005, para encobrir o chamado mensalão mineiro. A defesa de Aécio afirma que as acusações de Delcídio são “absurdas” e que a inocência de Aécio em relação ao mensalão mineiro ficará provada no final das investigações.

Aécio também é citado na Lava Jato como beneficiário de R$ 15 milhões da Odebrecht na campanha de 2014. O repasse consta nas planilhas da empreiteira com o nome de “mineirinho” como destinatário.

Além disso, Aécio é citado por Léo Pinheiro e Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, que dizem ter pago propina a auxiliares de Aécio. Segundo a defesa do senador, as declarações de Pinheiro são “falsas e absurdas”.

José Serra (PSDB):

O atual ministro das Relações Exteriores compete com Aécio e o governador de SP, Geraldo Alckmin, pela candidatura tucana ao pleito de 2018. Ele aparece tecnicamente empatado com Alckmin em quarto lugar nas pesquisas.

Serra é citado na Lava Jato como beneficiário de R$ 23 milhões em caixa dois repassados pela Odebrecht para sua campanha de 2010. A verba teria sido paga através de contas na Suíça. A defesa afirma tratar-se de doações feitas de acordo com a lei eleitoral.

Serra também é investigado no chamado Cartel de Trens, esquema investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público de São Paulo, que apura fraudes em contratos do Metrô paulista e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O esquema ocorreu durante a gestão de Serra como governador de SP. Serra não se pronunciou sobre o caso.

Geraldo Alckmin (PSDB):

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, aparece em duas citações na Lava Jato. Ele é citado na delação da Odebrecht como receptor de R$ 2 milhões em espécie para as campanhas de 2010 e 2014 ao governo paulista. Ele também aparece como um dos beneficiários na planilha da Odebrecht com o codinome “Santo”. A defesa de Alckmin classifica como “prematuras” as conclusões feitas com base em delações ainda não homologadas.

Alckmin também é investigado no Cartel de Trens e em um inquérito da PF que apura fraude nas obras do trecho norte do Rodoanel, promovida pela empresa Dersa, contratada pela gestão de Alckmin. A defesa diz que Alckmin não é o investigado direto do inquérito.

Michel Temer (PMDB):

Último colocado nas pesquisas, o presidente Temer é citado duas vezes na Lava Jato. Ele é acusado por Sérgio Machado de negociar uma propina de R$ 1,5 milhão para a campanha de 2012 do peemedebista Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo. Temer também o mais citado na delação de Odebrecht, aparecendo 43 vezes.

Segundo os executivos da empreiteira, ele teria pedido verba em espécie para as campanhas do PMDB em 2010 e 2014. Em ambos os casos, a defesa de Temer afirma que o não houve pedido de doação ilícita para a Odebrecht. Folha


NA CIDADE UNIVERSITÁRIA - DEZ 3


Complexo Hospitalar da UFPA captou mais de R$ 17 milhões em 2016

Ao longo de 2016, a gestão do Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Pará (UFPA)/Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que envolve os Hospitais Universitários João de Barros Barreto (HUJBB) e Bettina Ferro de Souza (HUBFS), conseguiu captar mais de R$ 17 milhões junto à Ebserh, UFPA e outros parceiros para garantir melhorias nos hospitais, que vão refletir na população atendida pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Os recursos foram alguns dos principais avanços apresentados pelo superintendente do Complexo, o médico e sociólogo Paulo Amorim, durante diálogos com os trabalhadores dos hospitais, na última semana. Os principais avanços em 2016 no Complexo envolvem a realização do concurso público para 815 cargos nas áreas administrativa, médica e assistencial e a elaboração e aprovação do Plano Diretor Estratégico (PDE), que será detalhado em janeiro de 2017 e valerá para os anos 2017/2018, quando serão aplicados R$ 4,8 milhões no Complexo, dos quais mais da metade à área da Regulação beneficiando de forma direta os pacientes. Além do abastecimento de insumos e medicamentos, e captação de R$ 15 milhões para ensino, pesquisa e extensão.


Avanços no Barros Barreto - Já no Barros Barreto os principais progressos foram a recontratualização aprovada na Comissão Intergestores Bipartite (CIB), após longo diálogo com a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma). Nela, o HUJBB conseguiu garantir sua permanência na rede do SUS para mais um ano. O Barros receberá anualmente da Sesma R$ 25,82 milhões distribuídos em R$ 2,15 milhões ao mês.

Em termos de captação de recursos no Barros Barreto R$ 145 mil foram para a instalação de 25 centrais de ar, que está em processo licitatório e deve ser concluído no início de 2017. Teve, ainda, a captação de R$ 317 mil à instalação do Sistema de Refrigeração de quatro salas do Centro Cirúrgico, que recebeu reforma feita por meio de doação. Além disso, foram feitas iluminação da área interna e externa, e limpeza externa, com apoio da Reitoria da UFPA; manutenção do sistema de canalização do gás do Serviço de Nutrição e Dietética (SND) e aquisição de quatro ventiladores pulmonares.

Progressos no Bettina Ferro - No Bettina Ferro foi captado R$ 1,37 milhão junto à Ebserh para a construção do projeto Centro Especializado em Reabilitação (CER) tipo IV. O recurso foi anunciado durante o diálogo e garantido pelo presidente da Ebserh, o ginecologista Kleber Morais, que conheceu o projeto dia 25 de novembro deste ano, quando esteve em Belém e visitou os hospitais.

O CER está aprovado pela Caixa Econômica Federal e o processo licitatório para construção está previsto para ocorrer neste semestre. Envolve total de R$ 8 milhões, dos quais R$ 4,87 milhões já estão disponíveis à construção de prédio. Outra parte será liberada seis meses antes do término da obra. O espaço fará com que o Bettina, além de tratar, possa reabilitar os pacientes ajudando na inclusão social. No CER, a reitoria da UFPA disponibilizará a construção de mais um andar à realização de pesquisa técnica nas áreas em que o Bettina e Barros já são consolidados como referência no Pará.

Além disso, o presidente da Ebserh garantiu R$ 30 mil que já são aplicados na reforma do hall de recepção do Bettina. A gestão do Complexo conseguiu também captar recursos para a reforma da recepção dos serviços e consertos e aquisições de aparelhos no HUBFS.


Perspectivas – Paulo Amorim falou também das perspectivas para o ano que vem destacando a implantação do PDE, com reunião específica para apresentação do Plano em janeiro; aumento na produção ambulatorial e hospitalar; definição do perfil assistencial do Complexo; definição da Missão e Visão do Complexo e habilitação dos serviços em funcionamento, como a Unidade de Oncologia e leitos no Barros, e a realização da cirurgia de vitrectomia no Bettina. Ressaltou, ainda, sobre a chegada de novos trabalhadores oriundos do concurso; contratação de alguns cargos (terceirizados), conforme a política de recursos humanos da Ebserh; conclusão da efetivação dos cargos e estabelecimento de cronograma de reuniões da equipe ampliada e trabalhadores nas duas unidades hospitalares.

Contextualização - Amorim esclareceu aos trabalhadores sobre a parceria entre a UFPA e Ebserh, para reestruturar os hospitais e melhorar o atendimento à população. Contextualizou a importância da relação entre o Ministério da Educação, Ebserh, UFPA e os hospitais. “Portanto, nunca deixaremos de ser UFPA”. Além da relação com o Ministério da Saúde e as Secretarias de Estado de Saúde (Sespa) e do Município (Sesma). E a intersecção, o grande elo, entre os Ministérios: o Sistema Único de Saúde (SUS).

Participação - O superintendente perpassou pelo Organograma da Ebserh e Plano Diretor Estratégico do Complexo. “No curso de gestores que tivemos a Ebserh avaliou que os 39 hospitais gerenciados pela Empresa no Brasil mantêm o mesmo padrão de gerenciamento. A Ebserh vem rompendo o padrão verticalizado de gestão, pois é uma relação horizontal com a proposta de modelo de cogestão, que é a de solução através de ampla discussão sobre o problema. Então, nossa gestão segue essa linha participativa e coletiva nos dois hospitais. Agradecemos a participação de todos e esperamos continuar a contar com a colaboração de vocês”, finalizou o superintendente Paulo Amorim.

Texto: Cleide Magalhães – Ascom do Complexo Hospitalar da UFPA.

AÇÕES - Brasil tem mais de 3 milhões de ações trabalhistas em 2016


A Justiça do Trabalho, já sobrecarregada e sem conseguir reduzir estoques de anos anteriores, deve contabilizar em 2016 mais de 3 milhões de novas ações, o que reforça o status do Brasil de país com o maior número de reclamações trabalhistas; hoje, além da crise que fez crescer as demissões – e com elas as demandas judiciais –, há forte assédio de escritórios de advocacia para que o trabalhador recorra à Justiça; com telefonemas para a residência, envio de e-mails, presença nas portas das fábricas e distribuição de panfletos, esses escritórios argumentam que sempre há formas de ganhar uma ação, ainda que parcialmente; os advogados ficam com 20% a 30% do valor recebido na ação; segundo o próprio ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra Martins Filho, sempre que o trabalhador vai à Justiça, ganha alguma coisa.